Bombas e fome no sul do Sudão


Um ano depois, continuam a verificar-se graves violações dos direitos humanos internacionais e do direito humanitário nos Estados do Cordofão do Sul e Nilo Azul no Sudão. 
O relatório da Amnistia Internacional 'We Can Run Away from Bombs, but Not from Hunger': Sudan's Refugees in South Sudan' documenta a situação dos refugiados no Sul do Sudão e as violações de direitos humanos a que os civis estão a ser submetidos devido aos combates contínuos entre as Forças Armadas Sudanesas e o Exército de Libertação do Povo do Sudão-Norte (Sudan People’s Liberation Movement-North) e nos campos de refugiados para os quais têm de fugir. Veja algumas fotografias aqui.


Os bombardeamentos provocaram mortes e ferimentos, assim como a destruição de propriedades e colheitas. Isto levou à escassez de comida, e o Governo do Sudão impede o acesso de organizações humanitárias em áreas afetadas pelo conflito nos dois Estados, impedindo a entrega de ajuda alimentar e outros tipos de assistência. Mais de 500,000 pessoas foram desalojadas como consequência, incluindo 150,000 refugiados para a Etiópia e Sul do Sudão. Uma resposta fraca da parte da ONU significa que o Governo do Sudão continuará a atacar estas pessoas.

Apele a Portugal, como membro do Conselho de Segurança da ONU, que assegure que sejam tomadas medidas urgentes para proteger os civis afetados pelo conflito armado no Cordofão do Sul e Nilo Azul. As assinaturas serão entregues ao Ministério dos Negócios Estrangeiros em Portugal.

Sem comentários: