Viagem de Carrossel

Depois vai o Sem Pernas. Vai calado, uma estranha comoção o possui. Vai como um crente para uma missa, um amante para o seio da mulher amada, um suicida para a morte. Vai pálido e coxeia. Monta um cavalo azul que tem estrelas pintadas no lombo de madeira. Os lábios estão apertados, seus ouvidos não ouvem a música da pianola. Só vê as luzes que giram com ele e prende em si a certeza de que está num carrossel, girando num cavalo como todos aqueles meninos que têm pai e mãe, e uma casa e quem os beije e quem os ame. Pensa que é um deles e fecha os olhos para guardar melhor esta certeza. Já não vê os soldados que o surraram, o homem de colete que ria. Volta Seca os matou na sua corrida. O Sem Pernas vai teso no seu cavalo. É como se corresse sobre o mar para as estrelas, na mais maravilhosa viagem do mundo. Uma viagem como o Professor nunca leu nem inventou. Seu coração bate tanto, tanto , que ele o aperta com a mão.

Jorje Amado, in Capitães da Areia


Quando este livro foi escrito, em 1937, as autoridades brasileiras ordenaram que fosse queimado em praça pública. Nessa época, os direitos das crianças eram completamente ignorados. Principalmente os das crianças de rua - os Capitães da Areia - que ainda hoje vivem nas ruas de Salvador, Rio de Janeiro, São Paulo e muitas outras grandes cidades espalhadas pelo mundo. São crianças que roubam, violam ou matam. São também crianças que ajudam, agradecem ou defendem os seus amigos. No entanto, são crianças às quais a sociedade não deu oportunidade. Muitas são órfãs, outras fugitivas dos maus tratos da família. Vivem sem saber se vão comer no dia seguinte ou se vão resistir ao mau tempo, doenças e abusos de outros habitantes das ruas, incluindo "pessoas de bem" ou turistas sexuais. E outros são encarcerados em instituições religiosas ou de solidariedade social que continuam a olha-las de lado, a querer fazer delas o que elas nunca serão, a aproveitarem-se da sua fragilidade. Estas crianças têm pesadelos nas noites e a sua sensação de solidão é permanente. Só é possível traze-las para um mundo melhor se lhes mostrarmos esse mundo melhor. E isso só se consegue com muita atenção, paciência e amor. Quem nunca recebeu... não sabe dar.



Sem comentários: