Mulher de 23 anos executada no Irão



Uma iraniana de 23 anos foi executada na sexta-feira numa prisão iraniana, por um crime que terá cometido quando tinha 17 anos, apesar dos protestos de organizações de defesa dos direitos humanos e desafiando uma suspensão das execuções no país, noticia a BBC.

Delara Derabi era acusada de ter morto o pai, crime que inicialmente confessou mas depois negou, afirmando que admitira ter cometido o homicídio para proteger o namorado.

A Amnistia Internacional condenou a execução, por enforcamento, e considerou que Derabi não teve direito a um julgamento justo. A organização considera que a execução foi acelerada para evitar protestos de organizações internacionais e que o tribunal se recusou a aceitar provas que demonstravam a inocência da arguida.

O caso da iraniana, uma artista plástica, chamou a atenção da opinião pública internacional após desenhos seus feitos na prisão terem sido divulgados em todo o mundo, explica a BBC.

O advogado de Derabi disse que as autoridades da prisão onde a mulher estava detida ignoraram uma suspensão das execuções por um período de dois meses, determinada pela justiça iraniana.

O correspondente da BBC em Teerão, Jon Leyne, disse que a mulher fez uma chamada telefónica desesperada para a mãe, ontem de manhã, antes de ser enforcada.

“Mãe, eles vão executar-me, por favor salvem-me”, disse antes de ser interrompida por um guarda prisional que respondeu à mãe: “Vamos executar a sua filha e não há nada que possa fazer”.


FONTE: Público, 2 de Maio de 2009

Sem comentários: